8. Perguntas Frequentes

Nesta seção são divulgadas as perguntas frequentes sobre o Ministério dos Transportes e ações no âmbito de sua competência.

1. O que é o Fundo da Marinha Mercante - FMM?

O Fundo da Marinha Mercante é um fundo de natureza contábil, destinado a prover recursos para o desenvolvimento da Marinha Mercante e da indústria de construção e reparação naval brasileiras (art. 22 da Lei nº 10.893/2004).

O FMM é administrado pelo Ministério dos Transportes, por intermédio do Conselho Diretor do Fundo da Marinha Mercante – CDFMM, tendo como agentes financeiros o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, os demais bancos oficiais federais (Banco do Nordeste, Banco do Brasil e Banco da Amazônia), o Banco do Brasil e, recentemente, a Caixa Econômica Federal - Caixa.

O FMM, que tem como principal fonte de recursos o AFRMM, tem se constituído no alicerce central do Programa de Fomento ao Desenvolvimento da Marinha Mercante e da Indústria Naval.

2. O que é o Conselho Diretor do Fundo da Marinha Mercante - CDFMM?

Conselho Diretor do Fundo da Marinha Mercante – CDFMM é um órgão colegiado integrante da estrutura do Ministério dos Transportes. Participam de sua composição a Marinha do Brasil, a Secretaria Especial de Portos da Presidência da República e empresários e trabalhadores dos setores da Marinha Mercante e da indústria de construção e reparação naval.

As competências do CDFMM estão descritas no art. 2º do Decreto nº 5.269/2004.

I - subsidiar a formulação e a implementação da política nacional de marinha mercante e da indústria de construção e reparação naval brasileiras;
II - elaborar e submeter à aprovação do Ministro de Estado dos Transportes a programação anual de aplicação dos recursos do FMM;
III - aprovar o orçamento do FMM;
IV - deliberar sobre a aplicação dos recursos do FMM;
V - supervisionar a arrecadação do Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha Mercante - AFRMM e a partilha e destinação de seu produto;
VI - cumprir e fazer cumprir as normas gerais relativas a pedidos de financiamento e concessão de prioridade, com utilização de recursos do FMM, editadas pelo Ministro de Estado dos Transportes;
VII - deliberar sobre os projetos financiados com recursos do FMM e acompanhar a implementação;
VIII - deliberar sobre a concessão de prioridade de apoio financeiro do FMM;
IX - deliberar sobre pedidos de cancelamento de prioridade, suplementação de recursos após a contratação do financiamento, alterações do projeto ou de custos que excedam dez por cento do valor do projeto priorizado, e alteração do estaleiro contratado após a concessão de prioridade;
X - propor ao Ministro de Estado dos Transportes a realização de convênios e contratos com agentes financeiros do FMM e outros de interesse do desenvolvimento do transporte aquaviário e da indústria da construção e reparação naval brasileiras;
XI - definir critérios para a liberação dos recursos financeiros das contas vinculadas;
XII - fixar as condições necessárias para habilitação de novos agentes financeiros do FMM e acompanhar suas atividades;
XIII - assessorar o Ministro de Estado dos Transportes no conjunto de atividades relacionadas à sua competência;
XIV - exigir a efetiva prestação de contas das entidades a que se referem os §§ 1o, 2o e 3o do art. 17 da Lei no 10.893, de 2004;
XV - acompanhar e avaliar a gestão econômica e financeira dos recursos, bem como o desempenho dos programas aprovados;
XVI - acompanhar e fiscalizar as operações realizadas pelos agentes financeiros, com recursos do FMM;
XVII - pronunciar-se sobre as contas do FMM, antes do seu encaminhamento aos órgãos de controle interno para os fins legais; e
XVIII - exercer outras atividades que lhe forem cometidas pelo Ministro de Estado dos Transportes.

3. O que é o AFRMM (Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante)?

O Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante (AFRMM) é um tributo que foi instituído pelo Decreto-Lei nº 2.404, de 23 de dezembro de 1987. Este tributo tem suas normas estabelecidas pela Lei nº 10.893, de 13 de julho de 2004. Sua natureza jurídica é a de contribuição de intervenção no domínio econômico - CIDE.

Essa espécie de contribuição está disciplinada na Constituição que prevê em seu artigo 149 a competência da União para instituir a CIDE, conforme transcrito abaixo:

Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e de interesse das categorias profissionais ou econômicas, como instrumento de sua atuação nas respectivas áreas, observado o disposto nos arts. 146, III, e 150, I e III, e sem prejuízo do previsto no art. 195, § 6º, relativamente às contribuições a que alude o dispositivo.

De acordo com o entendimento do Supremo Tribunal Federal – STF, esse tributo é uma contribuição parafiscal ou especial. Sendo assim, é um tributo distinto do imposto e da taxa. Diz o STF que:

“Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante – AFRMM:
Contribuição parafiscal ou especial de intervenção no domínio econômico. CF <art>. <149>, art. 155, § 2º, IX. ADCT, Art. 36. O AFRMM é uma contribuição parafiscal ou especial, contribuição de intervenção no domínio econômico, terceiro gênero tributário, distinta do imposto e da taxa. (CF, <art>. <149>).” (RE 177.137, Rel. Min. Carlos Velloso, julgamento em 24-5-1995, Plenário, DJ de 18-4-1997.)

Ainda de acordo com o entendimento do STF, esse tipo de tributo não necessita ser regulado por meio de lei complementar, senão vejamos:

"O STF fixou entendimento no sentido da dispensabilidade de lei complementar para a criação das contribuições de intervenção no domínio econômico e de interesse das categorias profissionais." (AI 739.715-AgR, Rel. Min. Eros Grau, julgamento em 26-5-2009, Segunda Turma, DJE de 19-6-2009.)

O AFRMM tem como fato gerador o início efetivo da operação de descarregamento da embarcação em porto brasileiro (art. 4º da Lei 10.893/2004) e incide sobre o frete do transporte aquaviário da carga descarregada em porto brasileiro.

Frete, para os fins da Lei nº 10.893/2004, é a remuneração do transporte aquaviário (remuneração para o transporte da carga, porto a porto, incluídas todas as despesas portuárias com a manipulação de cargas – art. 5º).

O AFRMM será calculado sobre a remuneração do transporte aquaviário (sobre o frete). Para tanto, serão aplicadas as seguintes alíquotas:

a) 25% na navegação de longo curso (é aquela realizada entre portos brasileiros e portos estrangeiros, sejam marítimos, fluviais ou lacustres);

b) 10% na navegação de cabotagem (é aquela realizada entre portos brasileiros, utilizando exclusivamente a via marítima ou a via marítima e as interiores);

c) 40% na navegação fluvial e lacustre (é aquela realizada entre portos brasileiros, utilizando exclusivamente as vias interiores), quando transporte de granéis líquidos nas regiões Norte e Nordeste.

4. Como submeter projetos ao Conselho Diretor do Fundo de Marinha Mercante, visando obter a prioridade para concessão de financiamento?

- Os pedidos de concessão de prioridade para obtenção de financiamento a projetos com a utilização de recursos do Fundo da Marinha Mercante - FMM serão apresentados perante o Departamento do Fundo da Marinha Mercante – DEFMM da Secretaria de Fomento para Ações de Transporte - SFAT;

- O pedido de financiamento poderá ser para projeto de empresa brasileira destinado a construção de embarcação em estaleiro brasileiro, reparo ou alteração de embarcação de bandeira brasileira em estaleiro brasileiro ou ainda para construção ou modernização ou alteração de plantas industriais relacionadas a construção naval (estaleiros);

- O pedido de concessão de prioridade para obtenção de financiamento deverá ser encaminhado em uma via impressa e uma via editável, em mídia digital de igual teor e forma, acompanhado de toda a documentação exigida na Portaria GM 253, de 16/12/2009, incluindo autorização expressa para o Agente prestar qualquer tipo de informação solicitada pelo DEFMM, inclusive as razões que possam levá-lo a não contratar a operação.

 

Basicamente os documentos acima referenciados são:


- Certidões Negativas da Secretaria da Receita Federal do Brasil, Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, Fundo de Garantia por Tempo de Serviço - FGTS e Instituto Nacional do Seguro Social – INSS;

- Preenchimento do Formulário de Consulta Prévia (anexo I);

- Preenchimento da planilha Detalhamento do Orçamento e Quadro de Usos e Fontes, conforme Anexo II para embarcações e Anexo VI para instalações industriais;

- Especificação técnica resumida e arranjo geral da embarcação, no nível de projeto de contrato;

- Pré-contrato assinado entre a empresa postulante do financiamento e o estaleiro construtor ou, no caso do estaleiro ser o postulante, entre este e a empresa que o contratou;

- Preenchimento do anexo V (modelo de autorização expressa para o Agente Financeiro prestar qualquer tipo de informação solicitada pelo DEFMM sobre o postulante);

- Cronograma de obras do estaleiro indicado pelo postulante contendo, além das obras objeto do pedido, toda a carteira de obras do estaleiro; e

- No caso de planta industrial, planta baixa geral do empreendimento, especificações técnicas, quadros com indicações de quantidades e valores detalhados dos custos de construção e aquisição de equipamentos passíveis de serem financiados.

O postulante ao financiamento deverá encaminhar ao Agente Financeiro do Fundo da Marinha Mercante por ele escolhido toda a documentação pertinente ao pedido. Esta documentação deverá ser solicitada ao Agente Financeiro diretamente.
 
Uma vez analisado o pedido pela equipe técnica do DEFMM este será encaminhado ao CDFMM.

Caso o projeto seja aprovado pelo CDFMM o Presidente do CDFMM fará publicar no DOU a decisão. Caso contrário o processo será arquivado e o pleiteante comunicado.

5. Qual o prazo de validade da prioridade concedida pelo Conselho Diretor do Fundo de Marinha Mercante?

Conforme Portaria GM nº 82/2011, de 11.05.2011, uma prioridade concedida pelo CDFMM terá validade por 360 (trezentos e sessenta) dias corridos, contados da publicação da respectiva Resolução do CDFMM no Diário Oficial da União, compreendendo o enquadramento da operação e a contratação do financiamento.

O início de execução do projeto não poderá ser superior a um ano após a contratação da prioridade conforme determina o §1º da Portaria GM 82/2011, de 11.05.2011.

6. Existem hipóteses de benefícios fiscais ligados à arrecadação do tributo AFRMM?

A Lei prevê três tipos de benefícios: não incidência, isenção e suspesão do AFRMM.

Não incidência do AFRMM: esse tributo não incidirá sobre as operações de descarregamento das embarcações de navegação fluvial e lacustre, exceto sobre cargas de granéis líquidos, transportadas no âmbito das regiões Norte e Nordeste (parágrafo único do art. 4º da Lei 10.893).

Isenção do AFRMM: esse tipo de benefício fiscal consta no artigo 14 da Lei nº 10.893/2004, que especifica um amplo rol com os tipos de cargas que serão isentas de recolher o AFRMM. De acordo com o rol do art. 14, as hipóteses mais significativas de isenção são:

                - as cargas de livros, jornais e periódicos, bem como o papel destinado a sua impressão;

                - as cargas transportadas:

a) por embarcações, nacionais ou estrangeiras, quando não empregadas em viagens de caráter comercial,

b) nas atividades de explotação (tirar proveito econômico de..., sobretudo quanto aos recursos naturais)

Suspensão do AFRMM: de acordo com a lei, o pagamento do AFRMM incidente sobre o frete relativo ao transporte de mercadoria submetida a regime aduaneiro especial fica suspenso até a data do registro da declaração de importação para admissão da mercadoria no respectivo regime.

7. Qual o papel ao Agente Financeiro, na tomada de financiamento junto ao Fundo da Marinha Mercante? O Agente Financeiro pode negar o pedido de financiamento, ainda que tenha sido aprovada sua prioridade pelo Conselho Diretor do FMM?

O papel de um Agente Financeiro do FMM é viabilizar o crédito após avaliação do estudo de viabilidade apresentado pelo postulante. Ressalta-se que o financiamento do projeto é de responsabilidade do Agente Financeiro. Sendo assim, a concessão do financiamento depende da viabilidade econômico-financeira do projeto apresentado pela Empresa Brasileira de Navegação ou Estaleiro. Por essa razão o Agente Financeiro pode negar o pedido.

Para atuar como Agente Financeiro do FMM é necessário que o Conselho Diretor do Fundo da Marinha Mercante – CDFMM aprove sua habilitação. Uma vez aprovada, o CDFMM propõe ao Ministro de Estado dos Transportes a celebração de convênio a ser firmado entre a sua Pasta e a Instituição Financeira. O objeto do Convênio é regular as relações entre as partes, visando à adequada aplicação dos recursos do Fundo da Marinha Mercante – FMM, conforme disposto no caput do art.29 da Lei n.º 10.893, de 3 de julho de 2004.

8. Qual o limite de valores para o pedido de financiamento de um projeto?

Não existe limite.

9. O prazo para tomada de financiamento pode ser renovado?

Não, não há possibilidade de renovação.

10. Os recursos do Fundo da Marinha Mercante são oriundos apenas da receita do Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante? Quais as outras fontes?

Não.
A Fonte 135 é a principal fonte de receita do FMM, no caso, a arrecadação do Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante – AFRMM. O Adicional é uma espécie de tributo e incide sobre o frete das mercadorias transportadas pelo modo aquaviário e desembarcadas em território brasileiro.

As outras fontes do FMM  são:
Fonte 100 – Tesouro, obtida do Superávit Financeiro; e
Fonte 180 – diretamente arrecadado – oriundos de amortizações e juros de empréstimos e remuneração de depósitos bancários (Conta Única).

Os recursos do FMM estão definidos no artigo 25 da Lei nº 10.893/2004.

11. As linhas de financiamento do Fundo de Marinha Mercante oferecem condições melhores de empréstimo? Quais os prazos para pagamento?

Sim, as condições são melhores.

Os prazos dependem do objeto do financiamento.

12. Aonde posso encontrar informações acerca das empresas brasileiras de navegação e estaleiros que estão utilizando os recursos do Fundo da Marinha Mercante para financiar seus projetos?

Tais informações estão disponíveis na internet e podem ser acessadas pelo site do Ministério dos Transportes. Para tanto clicar nos
seguintes link: “Acesso à Informação”; “Institucional”; “Legislação”; “Clique aqui”. Depois preencher no campo texto a sigla CDFMM (Conselho Diretor do Fundo da Marinha Mercante) e, após, clicar em “Pesquisar”.

Como resultado aparecerão todas as Resoluções já publicadas pelo CDFMM.

13. Sou empresário do ramo de logística e gostaria de abrir uma empresa de navegação. O que devo fazer?

Para abrir uma empresa brasileira de navegação, primeiro deve-se atentar para o que rege a Lei nº 9.432, de 8 de janeiro de 1997, que dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências, disponível no seguinte endereço de internet:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9432.htm


É necessário obter autorização para que as embarcações da empresa possam operar nas navegações de longo curso, cabotagem, apoio marítimo e/ou portuário. Tal autorização deve ser solicitada junto à Agência Nacional de Transportes Aquaviários – ANTAQ. Para tanto, sugere-se a consulta à Resolução ANTAQ n° 843, de 14 de agosto de 2007, disponível no seguinte endereço de internet:

http://www.antaq.gov.br/Portal/pdfSistema/Publicacao/0000000604.pdf

 

14. Acabei de abrir uma empresa de navegação. Essa empresa, mesmo sendo nova, pode ser beneficiária de recursos do Fundo da Marinha Mercante?

Os critérios para empresa, órgão e instituição credenciada postular priorização de recursos, junto ao Departamento da Marinha Mercante, estão descritos no art. 26 da Lei nº 10.893, de 13 de julho de 2004. É possível consultar a lei em sua íntegra através do seguinte endereço de internet: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.893.htm

15. Quantos estaleiro foram construídos ou reformados com recursos do Fundo da Marinha Mercante desde a vigência da Lei nº 10.893/2004? Qual foi o valor efetivamente liberado para cada um?

Desde a vigência da Lei nº 10.893, de 13 de julho de 2004, foram construídos ou modernizados, com recursos  do Fundo da Marinha Mercante, oito estaleiros.

Apesar do Ministério dos Transportes ter a competência para acompanhar as obras financiadas com os recursos do Fundo da Marinha Mercante, ressalta-se que os contratos de financiamento são celebrados sem a interveniência do Ministério. Assim, informações acerca do valor efetivamente liberado para cada estaleiro deverão ser solicitadas ao Agente Financeiro que por sua vez é o gestor do contrato de construção/manutenção.

Os agentes financeiros do Fundo da Marinha Mercante são: BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico), Banco do Brasil, Banco da Amazônia, Banco do Nordeste do Brasil e Caixa Econômica Federal.

 

Tabela Estaleiros

Serviços

O Ministério

COGEP - COORDENAÇÃO-GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS
Gestão de PessoasAposentadoria  |  Mapeamento de Competências  |  Pagamentos  |  Recadastramento

SPO - SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO
Fórum de desempenho do MT SGD - Sistema de Gestão de Documentos

SAAD - SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS / CGMO - COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO (EXTINTO DNER)
Créditos/DébitosConsulte aqui

SECRETARIA DE FOMENTO PARA AÇÕES DE TRANSPORTES - SFAT
Incentivos FiscaisDebêntures de Infraestrutura  |  REIDI

PASSE LIVRE
Carteira do Passe LivreCadastro Passe Livre para Empresas Transportadoras  |  Pedido de 2ª Via de Credencial  |  Manual do Beneficiário  |  Requerimento - Formulário Modelo  |  Atestado da Equipe Multiprofissional  |  Consultar andamento do Processo do Passe Livre para Beneficiários

Transporte Terrestre

DNIT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES
RodoviasCondição das Vias

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES
Transporte de PassageirosLinhas Interestaduais de Ônibus  |  Consulta a Motoristas de Ônibus  |  Ônibus Autorizados a Fretamento  |  Trens Regionais de Passageiros
Transporte Rodoviário de CargasRegistro Nacional dos Transportadores Rodoviários de Cargas - RNTRC  |  Transporte Rodoviário Internacional de Cargas

 
Ministério dos Transportes

Esplanada dos Ministérios, Bloco "R"
CEP: 70.044-902 - Brasília/DF
PABX (0XX61) 2029-7000
Segunda à sexta, das 8h às 18h.