Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Saúde Pública

Publicado: Segunda, 18 de Dezembro de 2017, 19h28 | Última atualização em Quarta, 20 de Dezembro de 2017, 15h27

A base deste trabalho dá-se por meio da articulação com as demais entidades que atuam no porto, para que a saúde nos portos seja tratada de forma contínua e sistêmica, valorizando sua interação com as questões ambientais e sanitárias.

A SEP trabalha para manter a habilitação dos portos marítimos brasileiros no mais rigoroso controle sanitário, no adequado tratamento de resíduos sólidos, no controle eficaz dos vetores transmissores de doenças e na proteção da saúde do trabalhador portuário. Para realizar este trabalho foram criadas, por Portaria do dia 29 de abril de 2009, as Unidades de Gestão Ambiental Portuária. Desenvolveu-se, também, o sistema de controle pandemico e as salas de situação para implantar nos portos. Estão previstos, também, a implantação dos programas relativos à Fauna Sinantrópica Nociva e à saúde do trabalhador portuário.

Especificamente quanto à questão pandemica, a preocupação surgiu a partir da propagação mundial do vírus influenza aviária (H5N1). De grande letalidade, ele provoca a gripe aviária, doença que causou mais de 60% de óbitos nos casos registrados pelo mundo.

A SEP já concluiu e implanta em 10 portos as ações previstas nos planos de contingência específicos à influenza aviária, nos quais estão reunidas ações de informação, capacitação, gerenciamento de resíduos e manejo de aves nos principais portos brasileiros. Mais 12 portos brasileiros iniciaram o trabalho de elaboração de Planos Específicos.

Em Brasília, atendendo às recomendações do ministro Pedro Brito, a SEP montou uma sala de crise para monitoramento contínuo das possíveis ocorrências relacionadas à Influenza A(H1N1). Ao mesmo tempo, a Secretaria participa junto como outros organismos da administração federal, do grupo coordenado pelo Ministério da Saúde, encarregado de administrar as ações necessárias para o monitoramento e enfrentamento de uma possível pandemia de gripe suína.

As ações da SEP, em conjunto com a Agencia Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, visam oferecer às autoridades portuárias os instrumentos necessários para uma eficaz ação preventiva, sempre em harmonia e cooperação com as demais autoridades que atuam nos portos. São objetivos dessa ação a correta implementação das ações contidas no Plano de Contingência de Pandemia de Influenza, bem como a permanente vigilância para alterações necessárias ao atendimento das características do novo vírus.

Sistema Saúde Pública
Trata-se de um sistema para acompanhamento da Saúde Pública nos Portos.
O cadastro será efetuado após contato e cadastro da entidade, operação, ações, equipes.
Caso não esteja cadastrado entre em contato - Departamento de Revitalização e Modernização Portuária.

- Clique aqui para acessar o sistema

Ministério da Saúde
Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Não há evidências da circulação do vírus da influenza suína em humanos no Brasil. As secretarias estaduais de Saúde foram acionadas para intensificar o processo de monitoramento.

- Perguntas e respostas sobre a influenza suína

Aos Portos, Aeroportos e Fronteiras (PAF)
Recomendações adicionais para portos, aeroportos e fronteiras estão disponíveis no site da ANVISA

  • Intensificar a vigilância de casos suspeitos em vôos provenientes das áreas afetadas, com abordagem dos viajantes procedentes das áreas afetadas.
  • Solicitar a Declaração de Bagagem Acompanhada (DBA), parte relativa à informação dos viajantes, de todos os viajantes de vôos provenientes das áreas afetadas.
  • Aplicar o fluxo de informação constante no plano específico para Portos e Aeroportos.
  • Emitir o Termo de Controle Sanitário de Viajantes (TCSV) diante da identificação de viajantes procedentes das áreas afetadas que apresentam sintomatologia clínica sugestiva de quadro infeccioso, atentando para o envio imediato de cópias para o Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..
  • Utilizar os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) nas investigações de casos que apresentarem sintomatologia clínica sugestiva de quadro infeccioso.


Outras informações: Disque Saúde: 0800-61-1997

Sites oficiais

 

Endereços com informações específicas

 

Internacionais

 

 

 
 
registrado em:
Fim do conteúdo da página