Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Infraestrutura

“Estamos falando de uma revolução em termos de infraestrutura no Brasil”, declara Tarcísio de Freitas em evento com a China

  • Publicado: Quinta, 09 de Maio de 2019, 13h58
  • Última atualização em Segunda, 20 de Maio de 2019, 18h08

Ministro se reuniu com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, e participou de reunião com empresas do país, no evento Diálogo de Cooperação Brasil & China, em Brasília.

 

Ministro EventoChina Alberto RuyA aproximação entre Brasil e China pode aumentar no setor de Infraestrutura. Em evento realizado pela Embaixada da China no Brasil, Diálogo de Cooperação Brasil & China, o ministro Tarcísio de Freitas se reuniu com o embaixador Yang Wanming e falou para investidores e empresários.

Também participaram do evento, a Secretária de Fomento, Planejamento e Parcerias (SFPP), Natália Marcassa, e o Secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni, que responderam à perguntas dos participantes, que mostraram interessem em informações sobre a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), a dragagem do Porto de Santos e a EF-170, conhecida como Ferrogrão.

“É necessário tornar o ambiente de negócios mais amigável. Então, nós temos reformas importantes em curso, do ponto de vista da economia, da criação e estabelecimento de empresas, da redução de burocracia e de deficiências”, declarou o ministro Tarcísio, completando que “o que nós queremos é criar um ambiente favorável para que o investidor possa trazer recursos em moeda estrangeira, adquirir o fluxo de caixa do projeto em Reais e não ter o valor destruído pelos efeitos colaterais da insolvência”.

Ainda, segundo o ministro, “vamos transferir para a iniciativa privada 36 aeroportos. Com o que vamos licitar em rodovias, podemos chegar aos 18 mil km. E vamos botar aí mais três, quatro mil quilômetros de ferrovias. Estamos falando de uma revolução em termos de infraestrutura no Brasil. Nós estamos promovendo uma grande transformação em quatro anos. E isso é possível, porque nós fizemos 23 leilões de concessão nos cem primeiros dias de Governo”, finalizou Tarcísio.

registrado em:

Notícias Relacionadas


Fim do conteúdo da página